Páginas

A experiência de vivenciar um Super Bowl


Neste post trouxe para meus leitores o relato de quem tem esteve presente e pôde observar toda a estrutura entorno da final da liga nacional de futebol americano dos EUA. Um evento como esse, gera infinitas oportunidades de marketing e portanto, é um ótimo caso para acompanhar e guardar como referência. Afinal, somos a sede da Copa do Mundo FIFA 2014 e dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, certo?

Marcos Maramaldo é meu aluno do 2o ano da faculdade de publicidade e propaganda. Esse ano ele foi fazer um intercâmbio e aproveitou a oportunidade para conferir in loco o Super Bowl XLVIII e também observar como a cidade e o comércio da região se prepara para um evento como esse. Ele aceitou meu convite para compartilhar aqui no blog como foi a experiência e aqui segue seu relato:

*    *    *

"No sábado, um dia antes do jogo, eu e meu pai saímos à procura do uniforme de algum dos times. Com a indicação de um amigo, entramos na Macy's. Começou aí o encantamento com o Superbowl XLVIII. Do lado de fora da loja, um stand enorme da ESPN montado, cheio de segurança em volta. Dentro da loja: logo na entrada, uma bola de futebol americano gigantesca pendurada no teto, acompanhada por diversas bandeiras (dos EUA e dos times). Subindo três andares, nos deparamos com um andar inteirinho exclusivo para o evento. Repleto de roupas e objetos do jogo. Tudo! De ambos os times. Na entrada desse andar, via-se manequins formando um time completo, uniformizado.

A loja estava absolutamente lotada, não conseguíamos andar direito. E foi aí que vimos a organização daqui, como tudo é levado à sério. Mesmo lotada, as filas dos caixas eram muito rápidas. Tinham caixas em cada canto da loja, e muitos.



Chegando no hotel, ligamos a televisão e vimos um programa sendo transmitido diretamente da tenda da ESPN que tínhamos visto do lado de fora da loja. Inclusive, fiquei surpreso quando a repórter mencionou a quantia investida na segurança do evento: $10 milhões.

No dia seguinte, saímos cedo do hotel em direção à estação de trem. Imaginávamos filas para entrar nos vagões, gritaria etc. Nada disso. A estação estava calma e com seguranças por todos os lados. Entramos num trem onde haviam torcedores de ambos os times e todos brincando um com o outro, num tom tranquilo e bem humorado. Todos estavam felizes e a fim de se divertir! O espetáculo estava apenas começando.

Pouco depois, chegamos ao estádio. O trem nos deixou exatamente na porta do local. Haviam centenas de pessoas da organização para as quais podíamos pedir informações, o que fez nossa entrada ser muito fácil e rápida. E, pasmem, completamente sem fila. Isso mesmo, tinham aproximadamente 90 mil pessoas no local e não pegamos fila alguma para entrar. Pedimos informações diversas vezes e todas elas foram muito bem atendidas pelo pessoal local. Ninguém de mal humor.

Entrando no estádio, percebi a dimensão daquilo tudo. Uma imensidão de gente naqueles três anéis do MetLife Stadium. Lindo! Chegamos no lugar marcado no nosso ingresso. Ninguém estava lá; o lugar era nosso. Na cadeira, havia uma mini mochila com algumas coisas dentro (como luva, gorro, batom de cacau, capa de chuva etc.). Essa mochila era também uma almofada para sentarmos na cadeira dura.

Eu e meu pai estávamos com a camiseta do Broncos e perto da nossa cadeira a maioria das pessoas era torcedor do Seahawks. Brigas? Nada disso! Fizemos amizade! E muita. Conversamos uma boa parte do jogo, rimos juntos e até tiramos fotos!

Pouco tempo depois, começou o espetáculo. A banda entrou em campo, dando uma abertura maravilhosa ao evento. Logo após, fogos de artifício. Ao final, uma bandeira enorme dos Estados Unidos foi erguida no campo, seguido pelo hino nacional americano, o qual todos ouviram de pé e em silêncio. Ao final do hino, aproximadamente 5 lindos helicópteros do exército americano sobrevoaram o estádio. Nunca tinha visto uma coisa daquelas. Inacreditável!

Começou o jogo. Infelizmente não foi o que eu esperava: o Seahawks dominaram o jogo por completo.


No intervalo do 2o para o 3o quarter, o famoso "halftime show" era esperado. Em incríveis 7 minutos cronometrados, montaram uma estrutura para a apresentação de Bruno Mars e Red Hot Chili Peppers.

Durante a montagem, a luz do estádio se apagou e a emoção começou. O locutor falou para colocarmos o gorro que havia na mochila da nossa cadeira. Nesse gorro, havia umas luzes. Fiquei em estado de êxtase quando vi o estádio inteiro piscando com as luzes do gorro. Não só isso! Não acreditei quando percebi que aquelas luzes eram controladas por alguém para fazer uma sintonia perfeita entre elas formando uma 'ola' de luz. Foi incrível!

Depois de um tempo, o show começou. Não apenas o show em si, com Bruno Mars e Red Hot no palco, mas também um show de luz, fogo e fogos de artifício. De arrepiar!


Após o show, o jogo retornou e acabou com o Seatle Seahawks levantando a taça de campeão numa exibição brilhante perante o morto Denver Broncos.

Na saída, fizemos o mesmo caminho de volta, por trem. Novamente, não pegamos fila alguma e o número de seguranças chama a atenção. Mais uma vez, torcedores de ambos os times, sempre brincando e rindo. Não houve briga, provocação, nem qualquer desentendimento.

Se eu pudesse definir em uma palavra o espetáculo, seria: PERFEIÇÃO. Sim. O evento é completamente maravilhoso! Tudo que eu esperava e muito mais. Tudo é feito para ser perfeito, e funciona exatamente como tal. É um show. É MÁGICO! Uma noite para nunca mais sair da memória!

Se o Brasil fizer um terço disso na Copa do Mundo, fará bonito!


Falando sobre  publicidade. As principais marcas presentes no evento, eram: Verizon, SAP, Bud Light, Pepsi e Visa. Outras marcas apareciam mas com menor exposição: Snickers, M&M´s, Fedex, Lenovo, Bridgestone, Doritos, GMC, ESPN e FOX.

Nada muito exagerado. Quatro principais (Verizon, SAP, Bud Light e Pepsi) davam nomes aos 4 portões de entrada do estádio (o meu portão, por exemplo, era Verizon). Já a Visa aparecia nas camisetas de todo o pessoal da organização, sacolas das lojas, brindes etc.

As secundárias tinham seus nomes exibidos nos letreiros durante o jogo. Algumas propagandas apareceram nos telões do estádio, como da Bud (aquela que viralizou, da amizade entre um cavalo e um cachorro), Fedex, Doritos e M&M´s. No campo, era possível ver os logos da ESPN e FOX num "carrinho" que, ao final, se transformou num estúdio para os comentaristas do jogo. Na saída, via-se um stand da GMC.

Termina assim meu registro e a minha impressão desse grande e inesquecível evento. Se você um dia tiver a oportunidade de participar, não pense duas vezes, vá!"

Marcos Maramaldo

*    *    *