Páginas

FAQ: mídias sociais

Tenho notado que quando se fala em mídias sociais, algumas dúvidas são frequentes. Resolvi então lançar esse post, bem ao estilo "frequent asked questions":

Antes de mais nada, o que é mídia social?
Esse foi um termo que o mercado publicitário passou a utilizar para fazer referência ao uso das redes sociais como um espaço para comunicação de uma marca/produto. Toda e qualquer ação de comunicação que envolve redes sociais ou usuários influenciadores dessas redes; é considerada uma ação de mídia social.

Mas claro, o termo não é dos melhores, afinal, toda mídia é social.


A popularização das redes sociais e da própria internet pode provocar mudanças nos meios de comunicação tradicionais, como o rádio e a televisão?
Na verdade, já estamos assistindo essas mudanças. A televisão já percebeu que seu telespectador não assiste mais a TV passivamente, como antes. O telespectador de hoje é mais interativo, participativo. Vem daí o sucesso do formato "reality show" nos últimos 10 anos.

Recentemente muitos programas, bem como os próprios atores e apresentadores, passaram a interagir com seu público pelo Twitter. Esse é um fenômeno de reação à uma demanda criada pelos telespectadores que hoje assistem à TV enquanto interagem pelas redes sociais.

Com o avanço das tecnologias digitais, o conteúdo da televisão vai mudar, mas de maneira lenta e gradual. Por outro lado, rapidamente veremos surgir novos serviços e produtos, estimulados
principalmente pela tendência do Branded Entertainment. Marcas começarão a dominar esses espaços, assim como hoje já acontece com rádio, com é o caso das emissoras Mitsubishi FM, Oi FM, etc.

Então a televisão e o rádio não irão desaparecer?
Há sempre aqueles que acreditam no fim do livro, da televisão, etc. Aliás, quando a televisão surgiu, disseram que seria o fim do cinema. Não é assim que acontece. Há sim uma adaptação, uma evolução do formato e do conteúdo, mas dificilmente um novo meio substitui por completo os anteriores.

Antes da televisão, o cinema era um espaço utilizado também para transmissão de notícias. Isso acabou com a popularização da TV, mas claro, o meio em si não desapareceu. O cinema deixou de ser um espaço para notícias e focou sua atuação no campo do entretenimento.

Assim, acredito que a popularização dos meios digitais promoverá uma adaptação evolução no formato e no conteúdo dos meios tradicionais de massa.

Mas também é importante ressaltar que o meio pode não desaparecer, mas seu suporte pode sim ficar no passado. O suporte do jornal e da revista é o papel. É possível que no futuro esse papel seja substituído por outro material.

O mesmo acontece com a televisão, em breve os sistemas analógicos de transmissão do sinal serão substituídos por sistemas digitais que tornarão a televisão um aparelho híbrido com possibilidade de acesso à conteúdos da internet.


Como as marcas estão aproveitando esse espaço de comunicação oferecido pelas redes sociais?
Muitas empresas brasileiras acreditam que é necessário estar presente nos ambientes de relacionamento digital e se esquecem que mais importante do que a "presença" é o "relacionamento" que se estabelece nesses espaços.


Pequenas empresas podem tirar proveito desse espaço?
Por se tratarem de espaços livres e segmentados, as redes de relacionamento aparecem como um ótimo espaço para comunicação de baixo investimento.

Através das redes sociais é possível iniciar um relacionamento direto com o seu potencial consumidor e a partir desse relacionamento, estimular que a divulgação do seu produtos seja
realizada pelos próprios usuários da rede.

Porém, o erro mais comum é considerar as redes sociais como uma mídia tradicional de massa. Algumas empresas criam campanhas de comunicação de massa para publicar nas redes sociais. É preciso sempre lembrar a necessidade de criar estratégias diferentes da publicidade tradicional.

Outro erro é esperar uma audiência equivalente aos veículos de massa. É preciso lembrar que a mídia social é uma mídia de atuação segmentada. Ou seja, o foco não é a quantidade mas a qualidade. A ideia central é impactar apenas o seu consumidor potencial.

É claro, algumas marcas atingem resultados similares ou mesmo superiores aos obtidos com mídias de massa; porém são excessões.


Toda empresa deveria estar presente nas redes sociais?
Na verdade, a pergunta crucial é: algum dos públicos de relacionamento da empresa utilizam as redes sociais como um ambiente comunicacional? Caso afirmativo, então a empresa deve estudar a possibilidade de criar sua "presença digital" nas redes sociais para estabelecer uma comunicação
com esse público.

E não é necessário estar presente em todas as redes sociais existentes, mas apenas aquelas que o seu consumidor utiliza com mais frequência. Não deve-se escolher as redes sociais por sua popularidade mundial. O Facebook é hoje a rede social mais frequentada em todo o mundo; porém no Brasil ainda não atraiu a atenção das classes populares. Se o seu produto é focado para os consumidores das classes D/E, não há razão para investir nessa rede de relacionamento.


Tópicos importantes para quem pretende criar uma presença virtual da sua marca/produto:
- Antes de entrar é preciso monitorar as redes e identificar onde estão e o que fazem os potenciais consumidores do seu produto/serviço;
- É preciso também ficar atento para identificar quem são os potenciais influenciadores das comunidades em que sua empresa pretende atuar;
- Antes de qualquer ação, é preciso definir as diretrizes de uso das redes sociais que devem ser seguidas por todos da empresa;
- Também é necessário a elaboração de uma estratégia de comunicação adequada para as redes sociais;
- Por fim, é preciso ter uma estrutura adequada para manter um relacionamento constante, responder de modo rápido e eficaz e pronta para lidar com situações de crise de imagem.