Páginas

Uma breve reflexão sobre os blogs

Com muito atraso, publico esse post sobre a produção de conteúdo nos blogs, como resposta ao post do Wagner Fontoura em seu blog Boombost.

Lá ele discute um pouco sobre o futuro dos blogs, sobre sua credibilidade e sobre produção coletiva. Isso me fez lembrar um artigo que estou escrevendo atualmente, em que faço uma breve reflexão sobre a evolução do usuário-produtor-de-conteúdo na internet.

Assim que a internet surgiu no Brasil em 1995, vivemos o período das “home pages pessoais”, vitrines particulares de cada usuário para o mundo “virtual”. Cada um publicou ali o que bem entendeu, mas em geral, assuntos focados no próprio indivíduo.

Esse histórico influenciou os blogs no seu surgimento e mesmo ainda hoje, para a grande massa, os blogs são sinônimos de “diários virtuais”, assim como ficou evidenciado no caso do Estadão X Blogs.

Mas a verdade é que o perfil do blog já evoluiu bastante nos últimos anos como já comentei anteriormente. Os blogs corporativos são um exemplo dessa evolução. A temática dos blogs que hoje fazem sucesso não é o indivíduo, mas sua área de atuação/pesquisa. Com isso o blog ganha público e também credibilidade.

No blog (individual, não corporativo) o autor tem maior liberdade de expressão, o que garante também certa idoneidade. Do ponto de vista do leitor, a credibilidade não vem diretamente da instituição, mas da formação e histórico profissional daquele autor.

A liberdade oferecida pela independência institucional abre ainda a possibilidade da referência, da citação e do diálogo entre os blogs. Esse formato de trabalho colaborativo só tende a crescer, já que não existe nem mesmo uma concorrência econômica entre eles, a única concorrência que pode existir porventura é uma certa concorrência “egóica”, porém, pouco bem vista por essa comunidade. Estou aqui, inclusive, promovendo essa produção coletiva, ao responder o post do Wagner Fontoura, que por sua já faz uma reflexão em cima de um post da Cynara Peixoto.

Há ainda a questão da credibilidade, que deve também evoluir com o tempo. Na área acadêmica, por exemplo, cada vez mais serão aceitas referências oriundas de blogs na medida em que apareçam mais e mais blogs produzidos por professores/pesquisadores reconhecidos em suas áreas de pesquisa. Qual a diferença real existente entre uma referência retirada de um livro ou de um blog de um mesmo autor?

No post do Boombust aparece ainda a questão do sucesso e da visitação. Obviamente um bom trabalho de divulgação sempre irá colaborar para o sucesso de um blog, porém, acredito que o volume de visitas não deve ser o objetivo principal para aquele que produz um blog. Além de estratégias de divulgação, o volume de leitores está ligado a outros fatores, como a temática do blog, credibilidade do autor e qualidade do conteúdo.

Mais uma vez, faço uma referência com o mundo acadêmico: assim como uma tese de doutorado, o foco de um blog deve estar na qualidade do seu conteúdo, e não no sucesso de vendas do livro/tese ou de visitação do blog.

O próximo passo que desponta no cenário dos blogs são as associações entre os autores bem sucedidos e empresas ou portais de conteúdo. Esse modelo deve crescer, mas definitivamente não acabará com o mar de blogs que temos hoje na internet pois para muitos, a independência institucional é um valor importante para seu blog.

Mas inegavelmente, o reconhecimento das mídias tradicionais só deve colaborar para a credibilidade dos blogs. Enfim, há um processo de evolução, e ele me parece promissor.

Por fim, deixo meu convite para que essa reflexão seja levada à frente. Aqueles que participaram do BlogCamp SP sem dúvida poderiam colaborar bastante para esse nosso diálogo. Os leitores de cada um de nossos blogs agradecem. Caso faça um post sobre o assunto, avise-me e darei o link aqui!

crédito: foto by thw05