Páginas

Marcos Mion é blogueiro?


Sim, eu mantenho esse blog, mas nem por isso me considero "blogueiro". Acho que para isso são necessários outros atributos além de manter um blog ativo.

Particularmente também não considero o Marcos Mion um "blogueiro", mas não é essa a opinião do ESTADÃO, que no seu caderno LINK desta semana publicou uma matéria em que creditou ele como VJ da MTV e Blogueiro.

Quero acreditar que o jornalista assim fez unicamente por causa do seu enfoque: o sucesso que seu blog tem feito. Mas vale aqui essa observação: qualquer um é blogueiro? Basta criar sua conta no blogspot ou wordpress (ou no BlogLog da Globo), e você "virou" blogueiro?

Feito o questionamento mudo o mote para o que realmente me interessou na matéria: o sucesso do blog. A excelente repercussão se dá justamente pela interatividade que Marcos Mion soube criar entre o blog, seus leitores/telespectadores e o seu programa na MTV. Aqui deixo meus elogios. Um ótimo exemplo de como uma mídia tradicional como a televisão pode conseguir benefícios em meios a essa nova realidade das redes sociais.

A matéria explica que Marcos Mion utiliza o blog como canal de contato com seus telespectadores que, colaborativament, participam da construção da pauta do programa "Descarga" e do "Quinta categoria". Mion chega a acompanhar a postagem de comentários enquanto faz, ao vivo, o programa "Descarga". Seus posts chegam a ter mais de 2.000 comentários.

Fica aí um bom exemplo de estratégia de colaboração na televisão.

Última observação: o conteúdo e a linguagem utilizada por Mion em seu blog não me atraem, mas claro, não sou público-alvo. Porém, não concordo com a idéia de que uma pessoa com tanto poder de influência sobre os jovens sinta liberdade em utilizar constantemente na sua escrita termos como "ksa" ao invés de "casa"... E olha que não sou, de maneira alguma, um radical. Aceito eventuais erros de digitação e até ortografia. Eu mesmo cometo alguns. Inclusive defendo a idéia de utilizar uma linguagem extremamente coloquial para tentar aproximar ao máximo do seu público, mas chegar a escrever "ksa" é um pouco além do limite, não?